sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Não são laços, são nós.

Alô, galero, voltei! Tou vivona? A pedidos de atualização.
Pois é, mais viva que antes por vários motivos. Rs.



A verdade é que passei muito tempo sem postar e que tenho muitos assuntos para escrever aqui. Só me resta me dedicar e saber a maneira certa de expô-las e comprar um moldem novo pra acessar a internet. Kk.

Hoje tive um dia recheado, cansativo e refletivo, Já estava indo dormir, mas tive uma conversa de MSN tão inspiradora que eis-me aqui caindo de sono ao som de Raimundo Fagner. Kk.



Quero falar sobre teorias sentimentais, se é que isso importa, ou não.

Sai de um relacionamento recentemente e até então venho fugindo deles. Acho tudo muito mais lindo e mais simplificado vê-los do lado de fora. E é um barato maior ainda quando você se identifica com um dos lados de tal moeda. Refiro-me a tal recente conversa de MSN. Hoje tive uma visão bem realista.

A essência da vida está toda resumida em conquistas. Ninguém tem tudo o que quer, nem a pessoa mais rica têm tudo, ela sempre quer mais. Eu, particularmente, sou ciente que se eu tivesse tudo, exatamente tudo o que eu quero, eu não teria animo e nem razão para sequer levantar da cama. E com relacionamentos não é diferente. Relacionamentos se tratam de conquistas, porém de uma maneira ampla que varia de pessoa para pessoa. Em sua maioria, sempre buscam algo diferente em um relacionamento, seja um “Eu te amo”, sexo, vaidade, compainha afetiva, atenção ou até mesmo interesse financeiro e, em sua minoria de casos, as pessoas realmente tem certeza de que realmente querem um amor verdadeiro. Sendo que uma vez o objetivo, seja lá qual, for conquistado, passaremos a querer conquistar outra coisa, depois outra e outra. Essa é quase a minha teoria de evolução Darwinista.

Embora algumas pessoas deixem tudo muito claro, outras são enigmáticas, esse é o fantástico de ver pessoas diferentes lidando com a mesma situação. Cada uma acaba adquirindo e aderindo modos curiosos e fascinantes da covardia de se envolver. Tenho em mente que, pessoas assim só se envolvem quando, precipitadamente falando, é o ultimo caso. Quando, o “gostar de estar” se transforma em um “precisar estar”. Nem sempre fazemos coisas por amor, às vezes fazemos por necessidade.

Como toda boa sagitariana, tenho uma natureza um tanto desapegada. No fundo, acho que tudo é passageiro, que ninguém é insubstituível e, que cada tempo eu que levo sem que as coisas sejam de um modo que me agrade, eu tou perdendo o tempo e a oportunidade de conhecer alguém que realmente supra as minhas expectativas e me faça feliz. Talvez seja sim, essa a minha visão jovem das coisas. Um equilíbrio imperfeito de desapego humano e fidelidade sentimental, pois quando amo, amo verdadeiramente.

O ser humano é egoísta por natureza, inclusive e excepcionalmente, eu. Não nos enganemos.

Pra mim, sair de um relacionamento e entrar em outro, não é carência, é burrice.

ABS!



Eliza Nayonara, 14.09.2010, 03:38am.

9 comentários:

  1. Voce gemeu esse post pra mim durante nosso sexfone, preciso dizer que foi bom, e está lindo?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. "Esta postagem foi removida pelo administrador do blog." tá escondendo!

    ResponderExcluir
  4. Deixa Deus tá vendo.. KKKKKK beijos

    ResponderExcluir
  5. Poxa.. concordo em vários aspéctos.. Principalmente na parte do egoísmo, que vc tratou com propriedade, em poucas palavras!! Essa jovem também é cultura.. kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  6. Vou resumir um pouco da minha vida, com alguns pedaços do texto...
    Eu estou na fase de não me relacionar sério com ninguém, mas costumo dizer que meu coração estar aberto, difícil ta sendo eu me apaixonar, não sei bem se estou contribuindo para que isso não aconteça, pois quase nunca dou oportunidade para que a pessoa me conheça. Hoje, eu sou daquelas que fico, passo meu nº e no outro dia torço para que não me retorne e muito menos me mande torpedo.
    Houve um tempo em que pensei que meu coração seria curado logo, caso desse uma oportunidade a uma pessoa, e assim fiz, e durou apenas 2 meses, e como não gosto de magoar ninguém,evitei logo, pois o sentimento não estava sendo recíproco.
    Texto: (Pra mim, sair de um relacionamento e entrar em outro, não é carência, é burrice.)
    E foi burrice minha na época. Passa o tempo, e às vezes, até me questiono o pq de não dar uma nova oportunidade a alguém hoje, agora com o coração limpo. E a única palavra que vem na minha mente é: Medo! Medo de ter o coração despedaçado novamente, é um risco, mas sei também que é uma escolha, a vida é feita disso! Só eu que não sei bem o que fazer...
    Então vou deixar que aconteça naturalmente, não darei oportunidade para que me conquiste, quero poder ficar com alguém ou conhecer e estar naquela expectativa do dia seguinte que o ‘ser’ me ligue, mande um sinal de ‘fumaça’ e só assim terei a certeza do 1º sinal del core! Rsrs
    Até aconteceu algo estranho, mas, não passará de algo estranho...

    Bom, acredito que o pq de tudo isso foi quando...

    Namorei 2 anos e meio e era tudo muito conturbado, amei verdadeiramente e amei demais mesmo, porém, sofri demais, o lado bom é que foi a 1º vez que conheci o amor e a confusão que ele faz dentro da gente de uma forma positiva, os ciúmes saudáveis, a vontade de enfrentar tudo e todos, tudo bacana, o ruim é quando a confusão, vira uma confusão negativamente falando, brigas e brigas, choros, visitas no psicólogo, ficar sem trabalhar, sem vontade até mesmo de viver, não se alimentar direito e sentir ciúmes exagerados, doentio. Entre tantas outras mil coisinhas, boas, ruins.

    Enfim, deu de aprender muito, até falo com meu ex sobre, depois de 1 ano sem nos falarmos praticamente, nos tornamos amigos. Acho até incrível isso ter acontecido. rs
    Agora, totalmente recuperada, livre, coração sarado e apenas com medo de encarar algo e passar por tudo isso novamente. Mas é como eu disse: é um risco e uma escolha. Assim com vc, quando eu amo, eu amo verdadeiramente. Pois, estar apaixonada é bom, está amando é bom, mas ao mesmo tempo é destruidor quando chega ao fim, e até que você recupere novamente é um longo processo, pelo menos comigo foi assim.

    E acho lindo essa parte aqui tbm sobre relacionamento:
    Texto: Acho tudo muito mais lindo e mais simplificado vê-los do lado de fora. E é um barato maior ainda quando você se identifica com um dos lados de tal moeda.

    ResponderExcluir
  7. acertar aqui:*mas costumo dizer que meu coração ESTÁ aberto...

    é digitando rápido e pensando em algo lá na frente...

    enfim, é por aí...

    parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  8. estive pensando nisso esses dias...
    burrice é se entregar em uma coisa que não vale a pena; mas se entregar não é ruim quando vc acha que vale a pena.

    de qualquer forma, no amor não há garantias e nunca vai haver neh. se quisermos descobrir temos que ser corajosos pra arriscar mesmo. kk

    continue escrevendo :*

    ResponderExcluir